Numa fase em que a Índia é apontada como um dos países mais atingidos pela Covid-19, a conta de Facebook do partido Ergue-te! compara a situação do país asiático com a de Portugal.

"Esta publicação não se destina a informar sobre a Covid. Destina-se a perceber a comunicação social dominante". Sob este mote, a publicação apresenta números absolutos de infetados e mortes devido à pandemia e também em correlação com a cifra das respetivas populações. A terminar o post, vemos a inscrição da mensagem "PANIC", inserida numa imagem que parece simular um botão.

Apesar da enorme diferença entre Portugal e Índia na monitorização da doença, os números da pandemia apontados correspondem aos oficiais (aludindo à véspera da publicação, dia 17 de maio e as populações portuguesa e indiana indicadas também estão próximas da realidade (abaixo, em ambos os casos, entre 1 e 2 por cento).

Quanto à unidade de referência (por milhão de habitantes), não é a usada pelas instituições da área da saúde que organizam e divulgam os dados – como a Organização Mundial da Saúde (OMS) ou o Centro Europeu de Controlo de Prevenção e Controlo das Doenças -, que utilizam a unidade antecedente em escala de grandeza (por cem mil habitantes) por implicar uma menor distorção.

Covid-19. Cinco perguntas e respostas sobre a variante indiana
Covid-19. Cinco perguntas e respostas sobre a variante indiana
Ver artigo

Mas a situação portuguesa é tão ou mais grave do que a indiana como é sugerido pela publicação?

A análise dos números recentes da pandemia em Portugal e na Índia, por oposição ao balanço feito desde o surgimento da doença (primeiro trimestre de 2020), evidencia uma perspetiva comparativa bem diferente entre os dois países.

Mesmo recorrendo à unidade de referência escolhida pela publicação no Facebook aqui verificada (que tende a aproximar universos muito distintos) e utilizando os dados populacionais por mencionados, é percetível que a comparação entre Portugal e a Índia, no momento atual, quanto à Covid-19, é substancialmente diferente daquela que decorre da apreciação dos números globais, com o acumulado desde o início da pandemia.

Esta é a estatística da Direção-Geral da Saúde e da Organização Mundial da Saúde em relação, respetivamente, a Portugal e à Índia, entre os dias 6 de abril e 10 de maio deste ano:

Número de casos:

Portugal
6 de abril – 824.368
10 de maio – 839.740

15.372 - Novos casos
1.537 - Casos/milhão de habitantes
+ 1.9%

Índia (estatísticas OMS)
6 de abril – 11.337.303
10 de maio – 22.662.575

11.325.272 - Novos casos
8.207 - Casos/milhão de habitantes
+ 99,9%

Número de mortes:

Portugal
6 de abril – 16.887
10 de maio – 16.993

106
10,6  - Mortes/milhão de habitantes
+ 0.63%

Índia
6 de abril – 145.107
10 de maio – 246.116

101.009
73,2 - Mortes/milhão de habitantes
+ 69.6%

No último mês, o aumento de casos e de óbitos por Covid-19 na Índia é exponencial, enquanto em Portugal o crescimento é residual. Neste período, o número de infetados e de mortes por milhão de habitantes na Índia é, respetivamente, cinco e sete vezes superior ao de Portugal.

Em suma, os números apresentados pelo Ergue-te! são verdadeiros mas o conceito de pânico que associa à publicação daqueles dados é aplicável apenas à situação pandémica descontrolada na Índia (com agravamentos dos registos de doença e óbito de quase 70 e 100 por cento), bem diferente da portuguesa (valores homólogos não superiores a dois por cento).

__________________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Verdadeiro, mas...
International Fact-Checking Network