O primeiro jornal português
de Fact-Checking

CNN noticiou que a invasão da Ucrânia está a provocar casos de miocardite?

Ucrânia
Este artigo tem mais de um ano
O que está em causa?
Uma suposta captura de ecrã da CNN, que tem sido partilhada nas redes sociais, associa a invasão russa da Ucrânia ao aumento de casos de miocardite. Na imagem aparece o jornalista norte-americano Anderson Cooper e no rodapé a frase: "Invasão da Ucrânia causa miocardite". Na realidade, a imagem foi manipulada e retirada de um site satírico.

“CNN informa que a invasão da Ucrânia pela Rússia causa miocardite. Isto não pode ser um programa jornalístico, diga-me que é humorístico por favor ! Não parece tão louco!”, escreve a autora de umas das várias dezenas de publicações semelhantes encontradas pelo Polígrafo no Facebook e no Twitter.

“Missão cumprida, CNN: ‘A invasão da ucrânia causa miocardite'”, escreve outro internauta no Twitter, numa publicação com mais de três mil reações e quase 800 retweets.

O Polígrafo efetuou uma pesquisa no site da CNN e não encontrou nenhuma notícia sobre o tema que supostamente também terá transmitido no seu noticiário televisivo. Uma pesquisa reversa no Google permitiu encontrar a imagem em “The Babylon Bee“, que se intitula como “o melhor site de sátiras do mundo”, publicada a 7 de março deste ano.

A captura de ecrã que se tornou viral é, na verdade, a montagem de uma imagem do jornalista Anderson Cooper, disponível no site da CNN num artigo de 15 de outubro de 2016, e uma fotografia retirada de um banco de imagens.

Não é a primeira vez que uma criação desta página satírica se torna viral e é partilhada como sendo autêntica. As plataformas de fact-checking “AFP Checamos” e “Maldita.es” já verificaram outras imagens que classificaram como falsas ou manipuladas.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Adulterado: conteúdos de imagem, áudio ou vídeo que tenham sido editados ou sintetizados para além dos ajustes de clareza ou qualidade de formas que podem induzir as pessoas em erro; esta definição inclui emendas, mas não excertos dos conteúdos multimédia ou a apresentação de conteúdos multimédia fora do contexto; ao abrigo dos nossos Padrões da Comunidade, também removemos determinados vídeos manipulados produzidos por inteligência artificial ou aprendizagem automática e que provavelmente induziriam uma pessoa comum a acreditar que o interveniente do vídeo proferiu palavras que realmente não disse.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque