O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Circula no Facebook e Telegram: “Sob Azovstal existe um laboratório biológico secreto da NATO”

Ucrânia
Este artigo tem mais de um ano
O que está em causa?
Desde meados de abril que circula nas redes sociais uma teoria da conspiração sobre a existência de um laboratório biológico secreto da NATO localizado na fábrica de Azovstal, mais precisamente nas instalações subterrâneas do complexo industrial. A informação está a ser partilhada por meios de comunicação social russos e em vários grupos no Telegram, mas nunca são apresentadas provas que fundamentem a hipótese.

“Sob Azovstal existem 24 km de túnel, um local secreto PIT-404 e um laboratório da NATO [Organização do Tratado do Atlântico Norte] com 240 oficiais presos. Sob a zona industrial de Azovstal, existem 24km de túneis a uma profundidade de 30 metros com a estrutura secreta da Lla OTAN “PIT-404” e o laboratório biológico secreto da NATO com armas biológicas“, destaca-se, em italiano, numa publicação de 28 de abril divulgada no Facebook.

No post alega-se ainda que “os serviços secretos franceses e oficiais de operações especiais não conseguiram tirar os seus colegas de Mariupol” e que o tenente-general dos EUA Roger Clutier, que tentava fugir do local, “foi capturado por um helicóptero que foi abatido”. A mesma informação está a circular em múltiplos grupos no Telegram, em língua portuguesa.

A fábrica de aço Azovstal em Mariupol, no sudeste da Ucrânia, está sob fortes ataques das forças invasoras da Rússia desde o final de abril, depois de o complexo industrial se tornar o último bastião das forças ucranianas na cidade. No dia 7 de maio, todas as mulheres, crianças e idosos foram retirados do complexo metalúrgico e permaneceram no local os combatentes ucranianos.

A Ucrânia deu, esta terça-feira, dia 17 de maio, ordem de rendição aos combatentes presos em Azovstal. Mais de 260 soldados feridos foram retirados na noite de segunda-feira. A Rússia anunciou que os combatentes se renderam, dos quais 51 foram transportados para um centro médico na cidade ucraniana de Novoazovsk, controlada por russos. Os restantes soldados seguiram em direção a Yelenovka, na Rússia, através de um corredor humanitário.

A atenção mediática internacional virada para o complexo metalúrgico situado em Mariupol gerou a criação e partilha nas redes sociais de múltiplas teorias da conspiração sobre a alegada instalação secreta de um laboratório da NATO no local. No entanto, não existem provas de que o laboratório “PIT-404”, esteja instalado nas fundações da fábrica de Azovstal, em Mariupol.

Em primeiro lugar, como concluiu a plataforma de verificação de factos “Myth Detectornão existe qualquer projeto da NATO chamado “PIT-404”, a referência a este laboratório apenas é encontrada nas publicações de redes sociais ou através de órgãos de comunicação russos em que esta teoria é disseminada. Importa também lembrar que a Ucrânia não é atualmente um país membro desta aliança militar e que, portanto, não faz sequer sentido que existam bases militares ou laboratórios da NATO no seu território.

Da mesma forma, não há fontes independentes capazes de confirmar a existência de um laboratório secreto no subsolo da siderúrgica Azovstal, tal como verificou o site de fact-checking italiano “Facta“.

A informação de que funcionários de altos cargos da NATO estiveram presos ou foram mortos no território de Azovstal também é uma teoria da conspiração. Estas alegações são baseadas  em comentários publicados em fóruns russos. Num deles, que o “Facta” identificou como a provável origem desta desinformação, o autor não fundamenta as informações que divulga com qualquer prova e acaba mesmo por classificá-las como de teor opinativo.

Izumi Nakamitsu, o Alto Representante da ONU para o Desarmamento confirmou, a 11 de março, que as Nações Unidas não tinham “conhecimento de nenhum programa de armas biológicas realizado na Ucrânia”. A informação foi novamente confirmada a 18 de março, pelo mesmo representante, em resposta à “circulação de novos documentos da Federação Russa alegando a existência de programas de armas biológicas na Ucrânia”. Nakamitsu lembrou que tanto a Federação Russa como a Ucrânia são Estados que integram a Convenção de Armas Biológicas e Tóxicas de 1972, “que proíbe efetivamente o desenvolvimento, produção, aquisição, transferência, armazenamento e uso de armas biológicas e tóxicas”.

___________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque