O facto: Robert the Bruce (1274-1329) foi rei dos escoceses entre 1306 e 1329, tornando-se o maior herói nacional da Escócia após reconquistar o território aos ingleses durante a Primeira Guerra da Independência Escocesa, com a ajuda de outra grande figura da história da região, William Wallace (imortalizado pelo actor/director australiano Mel Gibson na longa-metragem de 1995 "Braveheart").

Descendente de nobres celtas e normandos, Robert era um dos candidatos, em finais do século XIII, ao trono do território anexado pelos ingleses, rivalizando nessas pretensões com William Lamberton, bispo de St. Andrews, e John  Comyn III, lorde de Badenoch, que assassinaria a 10 de Fevereiro de 1306 na capela do mosteiro de Greyfriars, Dumfries, após saber que Comyn o traíra a favor do monarca britânico Edward I .

Marjorie Bruce, a filha do primeiro casamento de Robert, casaria em 1315 com Walter Stewart, 6º Grão-Senescal da Escócia. O filho de ambos, Robert II, veio a herdar a coroa da Escócia, fundando a casa de Stuart, que acabaria por unir os reinos escocês e inglês em 1603.

O filme: "Outlaw King", dirigido pelo escocês David McKenzie (são dele as longas-metragens "Young Adam", "Starred Up" e Hell or High Water"), reencena três anos da vida de Robert the Bruce (aqui interpretado pelo californiano Chris Pine), entre 1304 e 1307, com um epílogo sete anos mais tarde. Robert submete-se à soberania de Edwards "Longshanks" I de Inglaterra (era chamado de "Pernas Longas" pela elevada estatura, 1,88m) após uma primeira rendição em 1302, para se rebelar em definitivo depois de novas exigências territoriais, pesadas cobranças de impostos e contínuo recrutamento de escoceses para conflitos ingleses, coroando-se rei da Escócia a 27 de Março de 1306.

Derrotado num ataque surpresa do general  de Edward I (Stephen Dillane), o franco-britânico Aymer de Valence, 2º conde de Pembroke (Sam Spruell), Robert the Bruce consegue fugir com um punhado de homens. Após onze meses de alianças e iniciativas de guerrilha bem-sucedidas, o monarca escocês conquista a sua primeira grande vitória militar contra os ingleses, agora liderados por Valence e pelo novo rei britânico, Edward II (Billy Howle), na batalha de Loudoun Hill, a 10 de Maio de 1307.

Filmado em Panavision 4K e com uma duração de 121 minutos, "Outlaw King" foi produzido pela Sigma Films para a plataforma de streamingNetflix, onde estreou globalmente (incluindo em Portugal) a 9 de Novembro, com algumas estreias cinematográficas em territórios como o Japão ou o Brasil.

Nos factos históricos fundamentais como nos elementos da vida privada dos protagonistas, "Outlaw King" padece de vários erros e imprecisões, quase todos deliberados, por motivo de casting, economia narrativa ou intensidade dramática.

cine-check

Quanto à caracterização das personagens, Robert surge cerca de uma década mais velho do que era na realidade do tempo de acção (tinha 30 anos em 1304). Elizabeth de Burgh (Florence Pugh) a segunda mulher de Robert, era quase uma década mais nova do que Bruce, mas é aqui interpretada pela inglesa Florence Pugh, de 22 anos, para os 38 do norte-americano Chris Pine. No filme, Elizabeth é forçada a casar-se em 1304 com Robert, ajudando a selar a submissão deste à coroa inglesa. Na realidade, o par conheceu-se na corte em Inglaterra anos antes, casando em 1302, muito antes da rendição - julgada - definitiva a Edward I.

Na batalha decisiva de "Outlaw King", Loudoun Hill, o jovem Edward II, já rei, defronta o exército de Robert the Bruce ao lado de Aymer de Valence, perdendo num mano a manoclimático com Robert, que o deixa fugir em suprema humilhação - Edward II chora e rasteja na lama. Ora, não só Edward II ainda não era rei à data desta batalha como nem sequer esteve presente em Loudoun Hill: o filho de Edward I enfrentaria Robert the Bruce numa grande batalha apenas sete anos mais tarde, em Bannockburn, onde a vitória dos escoceses selará por gerações a sua independência. Além disso, o filme encena a morte de Edward I a caminho de Loudoun Hill, quando na realidade este morreria dois meses depois da batalha.

cine-check

Apesar de tudo o acima referido, "Outlaw King" é muito menos inexacto historicamente do que "Braveheart", de Mel Gibson. Isto deve-se em parte às opções estilísticas e melodramáticas de Gibson, mas também ao facto de as fontes históricas relativas à figura de William Wallace serem - ao contrário de Robert the Bruce - quase inexistentes. Randall Wallace, o argumentista norte-americano de "Braveheart", inspirou-se sobretudo num longo poema do escocês Henry the Minstrel, também conhecido como "Blind Harry", escrito em 1477, 172 anos depois da morte de William Wallace. Acresce que, para sublimar o heroísmo solitário do rebelde Wallace, Robert the Bruce é retratado em "Braveheart" como um privilegiado, um nobre volúvel e indeciso, demasiado dependente dos jogos políticos do pai (que lutara ao lado do futuro Edward I na 9ª e última Cruzada), apesar de uma "redenção" parcial no epílogo do filme, em batalha.

Entre as cenas cortadas da versão final de "Outlaw King", havia um encontro na floresta entre Robert e William Wallace, semanas antes de este ser capturado, torturado, decapitado e retalhado. A única vez que se vê a sua cabeça em "Outlaw King" é - tal como de facto sucedeu - espetada numa estaca à entrada da ponte de Londres.

Avaliação do Polígrafo: 

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Impreciso