"Tudo isso planeado há décadas! Atualmente ouvimos falar da tal variante Ómicron. Tudo uma grande agenda e gozo com a população! Na imagem, um filme de 1963. Está escrito acima no cartaz "O dia que a Terra virou/tornou-se um cemitério". "Mas é só mais uma coincidência das tantas que acontecem". Se você pensa assim... quem sou eu para dizer o contrário, não é? Sou apenas um 'teórica da conspiração'", alerta uma publicação de 2 de dezembro.

No Facebook, o Polígrafo encontrou dezenas de posts semelhantes, em vários idiomas, que partilham o cartaz do suposto filme e alertam para a coincidência entre o nome da longa-metragem e a nova variante do coronavírus.

Mas será o filme autêntico? E o cartaz é real?

De facto, em 1963 foi lançado em Itália um filme chamado "Ómicron", mas a sinopse nada tem a ver com a pandemia da Covid-19. O filme conta a história de um extraterrestre que controla o corpo de um ser humano para aprender factos sobre o planeta para, mais tarde, a sua raça dominar a Terra. O filme, realizado por Ugo Gregoretti, está disponível na íntegra no Youtube.

O cartaz que tem circulado nas redes sociais é manipulado. Na realidade, trata-se de uma montagem que utiliza um poster do filme "Phase IV", de Saul Bass (sim, o mesmo que criou os famosos genéricos de "Psycho" ou "Intriga Internacional"). O filme de 1974 não está relacionado com a pandemia, pois conta a história de formigas no deserto que, de repente, formam uma inteligência coletiva e declaram guerra aos humanos.

A frase que faz parte do cartaz também pertence ao filme "Phase IV": "O dia em que a Terra se tornou um cemitério". O cartaz manipulado, como podemos ver nas imagens abaixo, foi criado por uma utilizadora no Twitter, que retirou os nomes originais de vários cartazes e substituiu por "A Variante Ómicron".

Dois cartazes de filmes diferentes deram origem a um

A autora, que trabalha na área do cinema, criou ainda outros cartazes baseados em filmes antigos:

O nome da variante do novo coronavírus, detetada inicialmente na África do Sul, vem da letra grega Ómicron. A Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu designar as variantes do novo coronavírus, classificadas de interesse ou de preocupação, com letras do alfabeto grego como forma de evitar a nomeação “estigmatizante e discriminatória” do local onde foram detetadas.

Cartazes originais do filme de 1963

Em suma, o filme de 1963 "Ómicron" existe, mas o cartaz que tem circulado na Internet não é o original do filme. Na realidade, trata-se de um de vários posters alterados por uma utilizadora que assumiu a sua autoria no Twitter. Não é a primeira vez que o Polígrafo verifica teorias sobre filmes antigos e a suposta relação com a pandemia da Covid-19.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Adulterado: conteúdos de imagem, áudio ou vídeo que tenham sido editados ou sintetizados para além dos ajustes de clareza ou qualidade de formas que podem induzir as pessoas em erro; esta definição inclui emendas, mas não excertos dos conteúdos multimédia ou a apresentação de conteúdos multimédia fora do contexto; ao abrigo dos nossos Padrões da Comunidade, também removemos determinados vídeos manipulados produzidos por inteligência artificial ou aprendizagem automática e que provavelmente induziriam uma pessoa comum a acreditar que o interveniente do vídeo proferiu palavras que realmente não disse.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Manipulado
International Fact-Checking Network