O contexto:

Formada em 1970, a banda britânica "Queen" é uma das mais marcantes da história do rock, responsável por êxitos como "Bohemian Rhapsody" - o tema lançado a 31 de Outubro de 1975 que dá título ao filme -, "We Are The Champions", "We Will Rock You", "Another One Bites The Dust" ou "Radio Gaga". Com vendas globais - dependendo das fontes - entre 150 e 300 milhões de discos, o grupo tinha como figura maior o vocalista e compositor Freddie Mercury (nome verdadeiro Farrokh Bulsara, nascido a 5 de Setembro de 1946 em Stone Town, antigo sultanato de Zanzibar, actual Tanzânia e falecido aos 45 anos, a 24 de Novembro de 1991, de broncopneumonia provocada pelo vírus da sida).

A generalidade dos críticos considera a aparição de 20 minutos da banda no concerto de beneficência "Live Aid" em Wembley, Londres, na tarde de 13 de Julho de 1985  - seguida, horas depois, pela interpretação de um tema adicional por Mercury e Brian May - como o expoente máximo da carreira ao vivo dos Queen.

O filme:

"Bohemian Rhapsody", dirigida por Bryan Singer ("The Usual Suspects", "X-Men") e terminada por Dexter Fletcher ("Eddie the Eagle") após Singer ser despedido pela 20th Century Fox devido a comportamento errático, ausências injustificadas e desentendimentos com o protagonista, o norte-americano de origem egípcia Rami Malek ("Mr. Robot"), é uma longa-metragem de ficção que narra a ascensão de Freddie Mercury e dos restantes membros fundadores dos Queen - Brian May, Roger Taylor e John Deacon - rumo ao estrelato e à proeminência como uma das maiores bandas de rock dos anos 80, culminando na hoje lendária performance ao vivo do grupo no concerto do "Live Aid" em Wembley, 1985.

Produzido pela GK Films e New Regency Pictures em parceria com a Queen Films Ltd (propriedade de Brian May e Roger Taylor, os membros da banda ainda no activo, que aprovaram a versão final do argumento de Anthony McCarten) e com estreia mundial - incluindo nas salas portuguesas - a 4 de Novembro último, o filme arrecadou 61,7 milhões de dólares no fim de semana de arranque nos EUA.

Freddie Mercury

Os factos:

"Bohemian Rhapsody" altera a cronologia ou a factualidade de parte do percurso da banda para daí extrair melhores resultados dramáticos (como o empolamento das tensões no interior da banda devido à carreira a solo de Freddie Mercury), mas os erros mais relevantes surgem no retrato da vida privada do vocalista.

  • Ao contrário do que é descrito em "Bohemian Rhapsody", Mercury não conheceu a (breve) namorada e melhor amiga Mary Austin (interpretada pela anglo-americana Lucy Boynton) imediatamente antes de integrar a banda de Brian May (Gwilym Lee) e Roger Taylor (Ben Hardy). Mercury já tinha namorado com Austin, e só se reaproximou dela depois de se tornar vocalista dos Queen - chegaram mesmo a ficar noivos, e foi a Austin que Freddie deixou o seu património (no valor de mais de 10 milhões de dólares) após a morte. Mary Austin continua a viver com a família na antiga propriedade de Mercury em Kensington.
  • Também ao contrário do que o filme narra, o vocalista dos Queen não conheceu o namorado Jim Hutton (Aaron McCusker) quando este servia como empregado numa festa dada por Mercury, com o lead singera localizá-lo anos depois pela lista telefónica. Na verdade, Hutton fora cabeleireiro antes de se mudar para Londres, conheceu Mercury numa discoteca, rejeitou os avanços da estrela ascendente - que então não reconheceu - e, segundo entrevista ao "Times" londrino, voltaram a ver-se um ano e meio depois, de novo numa discoteca (Hutton trabalhava então no cabeleireiro do hotel Savoy), momento em que a relação começou, durando sete anos até à morte de Mercury em Novembro de 1991 - a longa-metragem encerra em 1985 com o concerto do "Live Aid".
Freddie Mercury
  • "Bohemian Rhapsody"  mostra-nos Mercury a revelar aos companheiros da banda  durante os ensaios para o "Live Aid" que contraíra o vírus da sida. Mas, de acordo com todos os relatos, o vocalista só foi diagnosticado com VIH em Abril de 1987, e apenas anunciaria o facto à família e amigos chegados em 1989 (quanto ao público, teve conhecimento oficial do problema na véspera de Mercury morrer, por um comunicado do próprio a 23 de Novembro de 1991).
  • De novo em contradição com os factos, a longa-metragem coloca os membros dos Queen a reagrupar-se pouco tempo antes dos ensaios para o "Live Aid", após se separarem devido a projectos a solo, quando na realidade a banda tinha acabado de fazer uma tournée mundial que durara 10 meses e acabara menos de dois meses antes do "Live Aid".

Tendo em conta os dados apresentados, pode classificar-se "Bohemian Rhapsody" como...

 

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Impreciso