"Depois de ativar a antena, centenas de estorninhos, um pássaro local, morreram em árvores próximas, atingindo o número de mais de 300 mortos, em poucos dias. Até ao momento, as autoridades não decidiram se as aves que caíram e morreram maciçamente seriam vítimas da experiência realizada naqueles dias em Haia", destaca-se no texto da publicação em causa,

Verdade ou falsidade?

Este rumor surgiu nas redes sociais em meados de 2019, tendo já sido desmentido em artigo da "FullFact", plataforma britânica de verificação de factos. De facto, em outubro de 2018 registou-se a morte de centenas de pássaros nos Países Baixos, mas esse acontecimento não teve qualquer relação com "testes de uma antena 5G".

Na altura, investigadores do Museu de História Natural de Roterdão e da Universidade de Wageningen autopsiaram 15 dos mais de 300 pássaros mortos e chegaram à conclusão de que os animais fora vítimas de traumas provocados pelo choque contra objetos. O motivo pelo qual as aves foram de encontro a objetos não é conhecido, mas a instituição académica sugere que pode ter resultado de uma desorientação causada por uma coruja a caçar ou por outro distúrbio desconhecido.

Em declarações ao FullFact, o Ministério dos Assuntos Económicos e da Política Climática dos Países Baixos salientou que não se realizaram testes de 5G em Haia na data em que os animais morreram. A entidade reguladora das antenas de telecomunicações naquele país, a Antenna Bureau, confirmou a informação dada pelo referido Ministério e sublinhou que "cientificamente, não há nenhuma razão para supor que as aves morreram por causa da radiação da torre", uma vez que, segundo as medições efetuadas, "a radiação está de acordo com as normas de segurança".

A publicação sob análise está assim a difundir uma comprovada falsidade.

________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações “Falso” ou “Maioritariamente Falso” nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network