Na abertura da entrevista à TVI e à CNN Portugal, transmitida ontem à noite, António Costa afirmou que "estamos todos em guerra" e que é este o motivo para o "atraso na recuperação", bem como para a "pressão sobre os preços" da energia e da alimentação, decisivos para a inflação elevada que se faz sentir.

No Twitter, Carlos Guimarães Pinto, deputado da Iniciativa Liberal na Assembleia da República, reagiu às palavras do primeiro-ministro: "A inflação, especialmente inesperada, é uma tragédia para muitos, mas não se compara a uma pandemia ou uma guerra, nem desculpa má governação", assinalou.

O liberal recuou ainda ao período de governação de Cavaco Silva para sublinhar que este esteve à frente do país "com inflações superiores à deste ano em 8 dos 10 anos no poder" e que, mesmo assim, "o país cresceu e convergiu com a UE nesse período".

Será?

Cavaco Silva governou de 1985 a 1995, nos X, XI e XII Governos Constitucionais. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) compilados na Pordata, Cavaco iniciou a governação em 1985 com uma taxa de inflação de 19,5%. Nos dois anos seguintes, o indicador reduziu até à taxa de 9,7%.

A partir de 1988, a tendência da inflação foi de aumento, até atingir um novo máximo de 13,6% em 1990. Na década de 90, Cavaco Silva assistiu a um gradual decréscimo da taxa de inflação e abandonou o Executivo, em 1995, com uma inflação em queda, situada nos 4,2%.

A taxa de inflação atual recuou para 8,9% em agosto, ficando abaixo dos 9% inicialmente estimados pelo INE e do valor registado em Julho, quando a variação homóloga dos preços chegou aos 9,1%. Contactado pelo Polígrafo, Carlos Guimarães Pinto explicou que nesta análise teve em consideração o cenário de inflação de 7,4% até ao final do ano, avançado por António Costa na entrevista à TVI.

Tomando como referência qualquer um dos dois valores - 8,9% ou 7,4% - a afirmação de Guimarães Pinto é verdadeira, uma vez que só em 1993 (6,8%) e em 1994 (5,4%), anos completos da governação de Cavaco Silva, se registaram taxas de inflação inferiores à que agora se verifica.

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network