O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Caravana de campanha do Chega foi recebida por tiros em Famalicão, como alega Ventura?

Política
O que está em causa?
Nos últimos dias, têm sido comuns as partilhas nas redes sociais de André Ventura sobre ataques ao seu partido. Ora são vidros partidos, ora são militantes agredidos. Agora, a história é mais grave: Ventura afirmou esta quarta-feira que o veículo de campanha do Chega foi recebido por tiros durante a sua passagem por Famalicão. Segundo as forças policiais, eram na verdade "rateres" de uma mota que acompanhava a comitiva.

“A caravana do Chega é recebida por tiros em Famalicão. Tiros! Vamos permitir que os mesmos de sempre atuem com total impunidade?”, destacou André Ventura ontem à noite, na rede social X.

No vídeo partilhado pelo líder do Chega, com a duração de 40 segundos, vê-se a caravana de campanha do partido a circular, ouvem-se várias buzinas e ainda um indivíduo a comentar o que está a acontecer. Aos 30 segundos de gravação ouvem-se quatro estrondos: são esses os barulhos que André Ventura alega serem “tiros“.

[twitter url=”https://twitter.com/andrecventura/status/1760390563092648023?s=48″/]

No entanto, o Comando Distrital da PSP de Braga já veio desmentir que se tivessem tratado de tiros. Em comunicado enviado esta quarta-feira à noite, a autoridade refere que “é audível um som semelhante ao disparo de uma arma de fogo, que se repete por quatro vezes” durante a passagem da caravana, que é seguido por várias viaturas ligeiras na avenida Rebelo Mesquita, em Vila Nova de Famalicão.

De acordo com a autoridade, o ruído eram “‘rateres’ produzidos por um motociclo que seguia na caravana”.

A força policial detalhou ainda que durante a passagem da caravana estava uma equipa da PSP em patrulhamento no recinto da feira que, ao aperceber-se dos sons, saiu do recinto e foi verificar a origem, descartando assim a possibilidade de disparos.

______________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Fact checks mais recentes