O alerta foi dado no grupo "Ermesinde", alojado no Facebook, que reúne moradores e simpatizantes (mais de 22.500 membros) daquela freguesia do Grande Porto. "Não vou fazer comentários, mas sinto que tenho a obrigação de partilhar. Árvore de Natal e uma bola de Natal, mais de 150 mil euros…", destaca-se na mensagem.

A acompanhar o texto, há várias imagens: duas fotografias dos trabalhos de instalação da tal árvore de Natal, e dois recortes do portal Base, no qual estarão registados contratos firmados pela Câmara Municipal de Valongo, município ao qual pertence a freguesia de Ermesinde, no âmbito da instalação natalícia. Um dos documentos apresenta o valor de 139.500 euros, o outro totaliza 20.962,89 euros.

Confirma-se que o Município de Valongo gastou mais de 150 mil euros na aquisição e instalação de uma árvore e de uma bola de Natal, como alega a publicação nas redes sociais?

A resposta é sim.

Uma consulta ao portal Base permite verificar que, de facto, no dia 22 de outubro, a Câmara Municipal de Valongo, liderada pelo socialista José Manuel Pereira Ribeiro, celebrou um contrato de 139.500 euros, valor a que acresce o IVA, para "construção, fornecimento e implementação de estruturas de pinheiro de Natal e bola de Natal, para o Município de Valongo".

Cinco dias depois, a 27 de outubro, o município celebrou um novo contrato, no valor de 20.962,89 euros, mais IVA, para "construção de duas sapatas em betão armado para instalação de torre metálica", isto é, a estrutura que vai suportar a árvore de Natal no centro da polémica.

Em conjunto, os dois investimentos para erguer a árvore e a bola de Natal custam ao erário público 160.462,89 euros.

O Polígrafo contactou a Câmara Municipal de Valongo que, através do gabinete de comunicação, confirmou os negócios e explicou que a árvore de Natal vai ser instalada no Parque Urbano de Ermesinde, local distinto de onde vai surgir a bola, no centro da cidade de Valongo. As estruturas são "de grandes dimensões" e estão englobadas no contrato de 139.500 euros. Já o contrato de cerca de 21 mil euros diz respeito à base metálica em que vai ser encaixada a árvore.

No entanto, o município salienta que ambos os elementos decorativos vão ser reutilizados nos próximos dois anos, o que significa que o custo anual dos mesmos é de 46.500 euros, e não de 139.500, o valor final do investimento que "será pago em três prestações anuais". Esta informação é confirmada pelo conteúdo do contrato disponível no portal Base.

Ao Polígrafo, a Câmara Municipal de Valongo alega que a aposta na decoração de Natal é uma forma de "dinamizar a economia local, sobretudo o comércio de rua, um dos setores mais afetados pela pandemia", para que "a população permaneça no concelho e consuma localmente".

Em conclusão, é verdade que a Câmara Municipal de Valongo gastou mais de 150 mil euros para instalar uma árvore e uma bola de Natal. No entanto, as duas estruturas são distintas, vão ser colocadas em pontos diferentes do concelho, serão reutilizadas nos próximos dois anos e pagas em três prestações anuais de 46.500 euros, valor a que acresce o IVA.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Verdadeiro, mas...
International Fact-Checking Network