"Ora bem, uma coisa que pode ser já feita por todos para ajudar, tem a ver com as nossas compras. Se olharmos para o código de barras, os primeiros três algarismos representam o país de origem", começa por se salientar numa das publicações em causa (recolhemos um exemplo em português, mas estão a ser partilhadas mensagens similares, ou parecidas, em várias outras línguas).

"Sempre que os algarismos iniciais forem 460 a 469 significa que são produtos russos, se forem 481 são dos seus aliados bielorrussos. Peço-vos que se abstenham de fazer tais compras. Nem todos podemos estar nas ruas de Kiev de arma na mão, mas todos podemos ajudar na defesa contra a barbárie", apela-se.

O modelo de código de barras mais comum apresenta um número com oito a 14 algarismos. A GS1 é uma organização sem fins lucrativos que atribui números únicos para códigos de barras, com destaque para os formatos EAN (European Article Number - Número Europeu de Artigo) e UPC (Universal Product Code - Código Universal de Produto) que "são impressos em praticamente todos os produtos de consumo do mundo" e "são os mais antigos e mais amplamente utilizados de todos os códigos de barras".

A referida organização informa que as empresas têm um prefixo (os três primeiros algarismos) nos códigos de barras que indica o respetivo país de origem, mas "uma vez que as empresas podem fabricar produtos em qualquer parte do mundo, os prefixos GS1 não identificam o país de origem do produto em causa".

Ou seja, o prefixo aponta para a sede ou registo da empresa, não para a origem do produto. A GS1 disponibiliza uma lista com todos os prefixos atribuídos, desde Portugal (560) até à Rússia (460-469), Bielorrússia (481) ou Ucrânia (482).

Acresce a possibilidade de a empresa que requereu o número de código de barras à GS1 não ser a mesma empresa que fabricou o produto. Em suma, mais rigorosamente, o prefixo identifica o país de origem da empresa que requereu o número do código de barras, não o país de origem do produto, nem o país de origem do fabricante.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Parcialmente falso: as alegações dos conteúdos são uma mistura de factos precisos e imprecisos ou a principal alegação é enganadora ou está incompleta.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.