"Este satânico diz estar a injetar organismos geneticamente modificados nas veias de crianças", pode ler-se numa publicação, datada de 21 de junho.

No vídeo divulgado pelo mesmo utilizador, que conta com um excerto de uma conferência em que Bill e Melinda Gates participaram, ouve-se a seguinte declaração: "Empresas não se importam com medicamentos onde alguns possam ter efeitos colaterais. Precisaríamos de testes de segurança? Estamos a injetar coisas que são organismos geneticamente modificados e injetamo-los nos braços das pequenas crianças. Injetamos diretamente na veia."

Mas será verdade?

A conferência, na qual participaram Bill e Melinda Gates, ocorreu no dia 22 de janeiro de 2015, em Bruxelas, na Bélgica. O casal defendeu a utilização de organismos geneticamente modificados (OGM) em plantações no continente africano como forma de combater a fome. Durante o evento, o empresário utilizou o processo de testes de segurança de medicamentos como analogia para apoiar os testes de segurança para culturas de OGM.

No entanto, o vídeo que circula nas redes sociais foi editado de forma a que pareça que Bill Gates estava a promover a ideia de injetar vacinas com OGM em crianças, o que não é o caso. Além disso, a legenda foi alterada, acrescentando a palavra "empresa" que não existia no discurso original.

“A analogia mais forte é com os medicamentos. Há algo com que nos preocuparmos com os medicamentos, pois alguns deles podem ter efeitos secundários? Precisamos de testes de segurança? Estamos a pegar em coisas que são organismos geneticamente modificados e injetando-as nos braços de crianças; injetamo-los diretamente nas veias. Então, sim, acho que devemos ter um sistema de segurança", ouve-se no vídeo original.

Em suma, além de o vídeo ter sido adulterado, Bill Gates não se estava a referir a vacinas. O fundador da Microsoft sublinhou sim a importância de submeter OGM a testes de segurança, um procedimento comum no caso dos medicamentos.

__________________________________________

Nota editorial:este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Adulterado: conteúdos de imagem, áudio ou vídeo que tenham sido editados ou sintetizados para além dos ajustes de clareza ou qualidade de formas que podem induzir as pessoas em erro; esta definição inclui emendas, mas não excertos dos conteúdos multimédia ou a apresentação de conteúdos multimédia fora do contexto; ao abrigo dos nossos Padrões da Comunidade, também removemos determinados vídeos manipulados produzidos por inteligência artificial ou aprendizagem automática e que provavelmente induziriam uma pessoa comum a acreditar que o interveniente do vídeo proferiu palavras que realmente não disse.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Manipulado
International Fact-Checking Network