O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Barack Obama foi “preso por espionagem” em benefício da China?

Internacional
Este artigo tem mais de um ano
O que está em causa?
Publicações propagadas nas redes sociais centenas de vezes desde o final de novembro alegam que o antigo presidente dos EUA partilhou informações ultra-secretas com a China e por isso acabou detido. Na verdade, um comunicado do Departamento de Justiça dos EUA foi manipulado para propagar informação enganadora.

“A media está surda/muda”, acusa-se numa das inúmeras mensagens no Facebook sobre a suposta detenção de Barack Obama. A publicação é acompanhada de uma notícia na qual se diz que o antigo líder da Casa Branca “foi preso a 28 de novembro de 2020, sob a acusação de conspirar com um parceiro de negócios que também era ex-oficial da CIA para comunicar informações confidenciais nível Top Secret à inteligência da República Popular da China”.

Obama detido

Ainda de acordo com o referido artigo, a “queixa criminal contendo a acusação” teria sido aberta na manhã desse mesmo dia.

A alegação de que Barack Obama teria sido preso por crimes de espionagem foi tornada pública a 28 de novembro no Conservative Beaver, um site que diz apresentar “notícias conservadoras, ao estilo canadiano”. Uma pesquisa inversa pela imagem que aparece na publicação permite concluir que a mesma é uma montagem que circula nas redes sociais pelo menos desde 2010.  

A maior parte do artigo, como explica a plataforma de verificação de factos da “AFP”,  é uma cópia do comunicado do Departamento de Justiça emitido a 17 de agosto para anunciar a detenção de Alexander Yuk Ching Ma, ex-agente da CIA entre 1982 e 1989, no Hawai. 

departamento de justiça

Ao fazer-se uma comparação entre o primeiro parágrafo do comunicado e o da notícia do site conservador canadiano é possível concluir que foram modificadas informações fundamentais: o nome de Ma foi substituído pelo de Obama e o cúmplice passou de um familiar para “um sócio”. Além disso, foi igualmente alterada a data da detenção: ocorreu a 14 de agosto e não no final do mês passado. 

O referido site também incluiu no artigo uma declaração do procurador-geral adjunto John C. Demers idêntica à que integra o comunicado do Departamento de Justiça: “A traição nunca vale a pena. Seja imediatamente, ou muito anos depois deles pensarem que conseguiram escapar, vamos encontrar os traidores e colocá-los perante a justiça. Estes indivíduos são dispensáveis para os serviços de inteligência chineses. Para nós, são lembretes tristes da necessidade de estarmos vigilantes.”

A “AFP” revela que o texto foi editado para colocar tweets recentes que serviriam para provar a veracidade da alegação. Um deles foi publicado pela jornalista do The Guardian Natalia Antonova, que confirmou à agência de notícias ter partilhado a alegação para ironizar sobre “a teoria inverosímil”. 

Outro dos tweets mencionados pelo site canadiano foi publicado por alguém que se identifica como “um orador da verdade”. A 30 de novembro, este utilizador escreveu que Obama tinha sido preso, negou que a sua fonte fosse o site que iniciou o boato mas não apresentou nenhuma prova que confirmasse a informação que propagava.

 

Tweet Obama

 

A notícia da suposta detenção de Obama não foi noticiada por nenhuma fonte oficial, agência de notícias internacional ou órgão de comunicação reputado e também não foi admitida ou confirmada por qualquer da equipa do antigo Presidente dos EUA. 

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações “Falso” ou “Maioritariamente Falso” nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque