"A balança comercial alemã pela primeira vez deficitária desde abril de 1991. Os preços na produção industrial subiram na União Europeia 36,4% no mês de maio e 36,3% na Zona Euro", lê-se num post do Facebook que foi remetido ao Polígrafo para verificação de factos.

Exibe um gráfico com a evolução das balanças comerciais da Alemanha e da Zona Euro desde 2000, no qual é visível o primeiro saldo negativo da Alemanha em 2022. Por sua vez, a Zona Euro baixou para níveis negativos em várias ocasiões ao longo dos anos, sendo a queda de 2022 bastante mais acentuada do que a da Alemanha.

Os dados apresentados estão corretos?

De facto, no dia 4 de julho, o Departamento Federal de Estatística (Destatis - Statistische Bundesamt) da Alemanha informou que a balança comercial (indicador que mede a relação entre as importações e as exportações) registou um saldo negativo de cerca de 1.000 milhões de euros em maio de 2022. Sim, é a primeira vez desde 1991 que as exportações da Alemanha ficaram abaixo das importações, à escala mensal, gerando assim um défice comercial.

"O aumento dos preços da energia levou a um incremento do custo das importações em maio para a maior economia da Europa, enquanto a interrupção do comércio global pesou nas exportações, causando um défice de 1.000 milhões de euros - o primeiro desde 1991. Os números contrastam com os anos em que as exportações de manufaturados impulsionaram o crescimento do país e transformaram-no na grande potência económica da União Europeia", reportou o jornal "Financial Times", baseando-se nos números apresentados pelo Destatis.

De acordo com esses números, as importações da Alemanha subiram 2,7% entre abril e maio do presente ano, totalizando cerca de 126,7 mil milhões de euros, ao passo que as exportações baixaram 0,5% no mesmo período de tempo, para cerca de 125,8 mil milhões de euros.

Em termos homólogos (comparando a maio de 2021), tanto as importações (+27,8%) como as exportações (+11,7%) aumentaram.

No mesmo comunicado, a Destatis realçou que as exportações da Alemanha para a Rússia subiram 29,4% em maio, para cerca de 1.000 milhões de euros, depois de terem baixado 60% em março e 9,9% em abril, sucessivamente. Comparando a maio de 2021, diminuíram em 54,6%. Quanto às importações da Rússia para a Alemanha, caíram 9,8% em maio, totalizando cerca de 3,3 mil milhões de euros.

"A queda das exportações totais alemãs em maio deveu-se em parte a uma descida mensal das exportações para outros países da União Europeia, enquanto as importações desses países [para a Alemanha] aumentaram em 2,5%. As exportações para os EUA aumentaram em 5,7% e as exportações para a China aumentaram em 0,5%, mas as exportações para o Reino Unido caíram 2,5%", destacou o "Financial Times".

De resto, confirmando a validade do gráfico exibido no post em causa, também é verdade que se registou um défice comercial na Zona Euro que, segundo noticiou o referido jornal (baseando-se nos últimos dados do Eurostat), atingiu um total de 32,4 mil milhões de euros em abril, invertendo assim o superávite de 14,9 mil milhões de euros registado em abril de 2021. Os dados da Zona Euro referentes a maio serão publicados pelo Eurostat no dia 15 de julho.

__________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network