"Atletas norueguesas de andebol de praia feminino boicotaram uso de biquíni no recente Europeu na Bulgária, mas foram ameaçadas de multa e desqualificação caso usassem outro equipamento. Jogadoras sentem-se 'desconfortáveis, nuas e observadas'. Responsáveis da modalidade alegam que o biquíni dá visibilidade e ajuda a angariar patrocinadores", lê-se na publicação em causa.

"A pergunta que faço é: portanto se elas jogam semi-nuas e os homens não, é desta que as mulheres são mais bem pagas?", questiona ainda o autor do post, em tom irónico e de crítica aos salários díspares entre jogadoras e jogadores de alguns desportos.

andebol

De facto, decorreu durante este domingo, 18 de julho, a grande final do Campeonato Europeu de Andebol feminino de praia, na cidade de Varna, Bulgária, de onde a Alemanha saiu vitoriosa, depois de jogar frente à Dinamarca. Ainda assim, nenhum destes países ecoou tanto nas notícias como a Noruega. A razão é simples e foi enunciada no post em análise:

As jogadoras da seleção norueguesa de andebol de praia protestaram contra a obrigatoriedade do uso de biquíni, inscrita no regulamento da competição, propondo jogar com calções. O mesmo regulamento aconselha os atletas masculinos a vestir calções mais compridos, que não sejam "muito largos" e que estejam 10 centímetros "acima da rótula".

Por, no caso das mulheres, ser proibido vestir uma parte de baixo que cubra mais de 10 centímetros da parte superior da perna, as atletas foram ameaçadas com uma multa que, segundo revelou a jogadora Katinka Haltvik à emissora norueguesa NRK, seria de 50 euros por jogo para cada jogadora, "algo que daria um valor total de 4850 euros".

"Isso até aceitámos. Contudo, imediatamente antes do início do primeiro jogo diante da Hungria, disseram-nos que seríamos desqualificados se jogássemos assim. Por isso tivemos mesmo de ir buscar os biquínis", acrescentou Haltvik.

Esta informação foi, no entanto, desmentida pela EHF (Federação Europeia de Andebol), que garante ao jornal The Washington Post nunca ter ameaçado com desqualificação a seleção norueguesa: "A EHF estava ciente do pedido da Federação Norueguesa de Andebol (NHF) e posteriormente a NHF foi informada da lista de penalizações”, disse Thomas Schöneich, porta-voz da Federação Europeia de Andebol. “No entanto, uma potencial desqualificação não foi mencionada e não tem sido uma opção.", garante.

Em comunicado, lançado a 19 de julho, a comissão disciplinar do Euro 2021 de Andebol de Praia informa que este se tratou de um "caso de vestuário inapropriado", sendo que "no jogo pela medalha de bronze contra a Espanha, no domingo, a seleção da Noruega jogou com calções que não estão de acordo com os regulamentos de equipamento de atletas definidos nas Regras de Jogo do Andebol de Praia da IHF (Federação Internacional de Andebol)".

No mesmo comunicado, a comissão acrescenta ainda que decidiu impor uma multa de 150 euros por jogadora, num total de 1.500 euros.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network