Sobre uma fotografia recente de António Costa, atual primeiro-ministro, destaca-se o seguinte título “Um país pobre com vícios de rico”. Trata-se de uma publicação do blogue “A Voz da Razão”, datada de 5 de fevereiro de 2019 e difundida intensivamente nas redes sociais. Mas que “vícios de rico” são esses a que o título alude?

O texto apresenta vários exemplos, a saber: “A ANACOM gastou 150 mil euros na comemoração do seu aniversário”; “Não fugindo ao mesmo setor, a Autoridade Nacional de Comunicações (ICP) gastou 130 mil euros numa campanha de informação sobre roaming internacional”; “Turismo dos Açores pagou à sociedade anónima New Seven Wonders mais de 1,5 milhões de euros para organizar a cerimónia das ‘7 Maravilhas Naturais de Portugal’”. E remete para os respetivos contratos publicados no portal Base.

A festa de aniversário da ANACOM que custou 150 mil euros aconteceu mesmo e foi noticiada em 2010. “Uma festa de aniversário de 150 mil euros, dos quais 12 mil foram gastos só em convites, oito mil euros por um vídeo humorístico e um cheque de 60 mil euros para os organizadores da festa pode parecer um evento de uma multinacional. Mas estes gastos foram realizados pela Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM)”, noticiou o jornal “Correio da Manhã”, na edição de 9 de outubro de 2010.

Ao ilustrar o artigo com uma fotografia recente de António Costa e apontando para o tempo presente em todo o texto, o autor do blogue “A Voz da Razão” está a realizar um exercício de desinformação.

“Esses números mostram que a ANACOM, regulador das comunicações, gastou 150 mil euros na comemoração do seu 20º aniversário. Só o aluguer da tenda onde decorreu o evento custou 75 mil euros, e as mil medalhas comemorativas da data tiveram um custo de 9500 euros. O PSD já classificou de ‘obsceno’ o gasto no jantar, tendo entregue ontem um requerimento dirigido a José Sócrates sobre estas despesas”, informou o mesmo jornal.

Quanto aos 130 mil euros gastos numa campanha de informação pela Autoridade Nacional de Comunicações (ICP), também se confirma que é verdade, tendo sido noticiado em 2010 pela TVI. O mesmo se aplica à cerimónia das “7 Maravilhas Naturais de Portugal”, realizada em 2010, a qual custou 1,5 milhões de euros (através de um contrato por ajuste direto à empresa New Seven Wonders), como a TSF noticiou em 2010.

Em suma, os factos são verdadeiros, as despesas foram mesmo realizadas e os respetivos contratos por ajuste direto estão publicados no portal Base. O problema é que datam todos de 2010, quando estava em funções o segundo Governo liderado por José Sócrates. Nessa altura, António Costa era presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

Ao ilustrar o artigo com uma fotografia recente de António Costa e apontando para o tempo presente em todo o texto, o autor do blogue “A Voz da Razão” está a realizar um exercício de desinformação. Como se as referidas despesas tivessem alguma relação com o atual primeiro-ministro. Como tal, apesar de se basear em factos verdadeiros, esta publicação, no global, tem que ser classificada como falsa.

Avaliação do Polígrafo:

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network