O secretário-geral do PS, António Costa, anunciou, no passado sábado, a criação um novo programa na área da educação. Chama-se Erasmus Interior e é inspirado no conhecido programa de intercâmbio de estudantes  universitários da União Europeia. "Tal como tem sido fundamental, na formação da nossa juventude, [os jovens] poderem estar um ou dois semestres no estrangeiro, a aprenderem outras línguas, costumes e outras gentes, é também fundamental que possam ter a oportunidade de conhecer outros territórios, outros saberes e espaços no nosso país", realçou o líder do PS em Vila Real de Trás-os Montes, onde se deslocou no âmbito da pré-campanha eleitoral.

Segundo Costa, os jovens portugueses, que “só conhecem o país da onda do surf” poderão, através do Erasmus Interior, tomar contacto “outros territórios, saberes e espaços", ao receberem estímulos financeiros para estudarem em universidades situadas longe das grandes cidades.

Em reação às palavras do líder do PS, Rui Rio afirmou concordar com a proposta – sobretudo porque, garantiu, se trata de uma ideia... do PSD. "Propusemos isso há meses largos atrás, traduzimos isso agora no nosso programa eleitoral", afirmou Rio ontem, domingo, acrescentando que, se os socialistas concordam com a medida, os sociais-democratas só têm de se "regozijar com isso"."O doutor António Costa”, prosseguiu o social-democrata, “terá lido bem o programa do PSD e reproduzido bem uma ideia de que gostou”.

A questão que resulta deste diálogo: Rui Rio tem razão quando afirma que o PSD apresentou há um ano o seu próprio Erasmus Interior?

A resposta é sim.

No dia 2 de Outubro de 2018 – há cerca de um ano, portanto – o PSD propôs a criação do programa “Erasmus + Interior”. Objetivo: fomentar a mobilidade de estudantes do litoral para o interior. A medida, que foi tornada pública, fazia parte de um pacote de propostas para a reforma do sistema universitário elaborado pelo  Conselho Estratégico Nacional do PSD.

psd
O documento do Conselho Estratégico do PSD

Constituído por 28 páginas, o documento defende que o acesso às universidades "deve promover a equidade e a igualdade de oportunidades". Mais: deve "alargar a participação da população no ensino superior, tornando-a mais inclusiva e mantendo ou mesmo reforçando a sua qualidade". Para isso, há que fazer "uma aposta na diversidade da oferta formativa, a par da sua equilibrada distribuição geográfica". Uma das soluções apresentadas é precisamente o programa homónimo do que Costa agora revelou.

psd
A página em que o nome do programa é mencionado

Num plano mais geral, o documento, que se apresenta como uma "proposta de reforma do Acesso ao Ensino Superior", elenca cinco objectivos fundamentais:

  • Alargar a base de recrutamento do ensino superior;
  • Diversificar e flexibilizar as vias de acesso
  • promover a inclusão, a equidade e a igualdade de oportunidades
  • Desenvolver a coesão territorial
  • Incentivar uma maior responsabilização das instituições de ensino superior

Avaliação do Polígrafo:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro
International Fact-Checking Network