É um meme que traça uma comparação entre duas imagens do primeiro-ministro António Costa. A primeira, relativa ao período do incêndio de Pedrógão Grande, mostra Costa a passear numa praia, à beira-mar, de fato de banho, "enquanto morriam 67 pessoas num incêndio". A segunda, relativa ao atual período de greve dos motoristas de matérias perigosas, mostra Costa de fato e gravata e cita-o como tendo dito que "o interesse nacional nunca tira férias".

De facto, no dia 10 de agosto de 2019, referindo-se à greve dos motoristas de matérias perigosas, Costa assegurou que "o interesse nacional nunca tira férias". E a partir dessa afirmação multiplicaram-se as publicações nas redes sociais lembrando que Costa estava de férias quando ocorreu o incêndio de Pedrógão Grande em 2017.

Mas estava mesmo de férias? Verificação de factos.

A verdade é que o incêndio de Pedrógão Grande ocorreu entre os dias 17 e 24 de junho de 2017 e, durante esse período de tempo, Costa estava em funções como primeiro-ministro. E depois foi de férias, de facto, na primeira quinzena de julho de 2017.

"O primeiro-ministro tinha férias marcadas para a primeira quinzena de julho e não as desmarcou, apesar da crise dos incêndios de Pedrógão Grande e do roubo de armamento dos paióis de Tancos. Vai ser à distância que tomará conhecimento da reunião do Conselho Superior de Defesa, que se reúne hoje em clima de alta tensão contra o ministro Azeredo Lopes. Também será à distância que ficará a par da reunião urgente que o CDS-PP pediu ao Presidente da República sobre 'a quebra grave da confiança nas instituições do Estado' depois dos incêndios e do assalto a Tancos", noticiou o jornal "i", a 3 de julho de 2017.

Aliás, na altura das férias de Costa, mais do que o incêndio de Pedrógão Grande, o que causou uma maior controvérsia foi a proximidade com o furto de material de guerra na base militar de Tancos, detetado no dia 28 de junho.

"António Costa interromperá as férias e regressará a Portugal entre terça e sexta-feira. Depois voltará para o seu destino de férias - aparentemente, uma ilha espanhola – até ao debate sobre o 'Estado da Nação', no dia 12 de julho. As férias do primeiro-ministro - ou o local onde decorrem - não foram divulgadas oficialmente. O primeiro-ministro ainda não se pronunciou sobre o roubo de material de guerra que está a preocupar as autoridades internacionais. Assunção Cristas, a líder do CDS, pediu ontem a António Costa para dar explicações, mas vai ter de esperar", salientou o jornal "i".

Além desta falsidade de indicar que Costa estava de férias "enquanto morriam 67 pessoas num incêndio", a publicação em análise descontextualiza e faz uma interpretação demasiado literal da afirmação proferida pelo primeiro-ministro no dia 10 de agosto de 2019.

Ora, Costa tinha sido questionado sobre se a forma como o Governo está a gerir a greve dos motoristas de matérias perigosas poderá ter efeitos eleitorais, tendo respondido assim: "Não podemos ter considerações eleitorais quando está em causa a segurança das pessoas. O interesse nacional nunca tira férias".

Ou seja, quando se referiu a "férias", o sentido era o de que não deixaria de defender o que considera ser "o interesse nacional" por causa da maior ou menor proximidade das eleições legislativas de outubro de 2019. Este é mais um elemento de desinformação patente numa publicação que classificamos como falsa.

***

Nota editorial: este conteúdo  foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam naquela rede social.

Na escala de avaliação do Facebook este conteúdo é:

Falso: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações "falso" ou "maioritariamente falso" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo este conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso