"Inteligência governamental. Em Inglaterra testam os alunos e abrem as escolas, depois fazem testes duas vezes por semana. Em Portugal abrem as escolas e depois testam as crianças", lê-se no post de 16 de março.

Verdade ou falsidade?

Começando pelo Reino Unido, o ensino presencial foi retomado no dia 8 de março e todos os alunos a partir do 7º ano de escolaridade foram convocados para a realização de quatro testes de detecção da Covid-19. Os três primeiros testes foram realizados com três a cinco dias de intervalo. Assim que um aluno obtivesse um resultado negativo já poderia regressar às aulas na escola.

Os estudantes britânicos também receberam kits para realizarem mais testes à Covid-19, nas suas casas, duas vezes por semana. Este processo também foi aplicado ao pessoal docente e não docente.

Importa sublinhar que estes testes não são obrigatórios. "O teste é voluntário e o seu filho não será testado a menos que haja consentimento. (...) O seu filho não será impedido de regressar à escola ou à  faculdade se decidirem não efetuar os testes", ressalva-se no documento de orientação do Departamento de Educação do Reino Unido.

Quanto a Portugal, as crianças regressaram às creches e às escolas do 1º ciclo no dia 15 de março. A testagem teve início no dia seguinte e visou o pessoal docente e não docente. Este grupo voltará a ser testado entre os dias 5 e 9 de abril, "nos concelhos de Portugal continental com um nível de incidência de casos positivos acima de 120/100.000 habitantes".

O processo será repetido quando todos os ciclos regressarem às aulas presenciais. Está previsto que os 2º e 3º ciclos retomem as aulas presenciais no dia 5 de abril, ao passo que no dia 19 de abril será a vez do ensino secundário.

No entanto, de acordo com o documento de orientação conjunta da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, Direção-Geral da Saúde e Instituto de Segurança Social, apenas os alunos do ensino secundário serão submetidos a testes à Covid-19. Ou seja, os restantes alunos estão isentos da realização de testes.

Em suma, a alegação é verdadeira, mas não tem em conta que os testes aos alunos no Reino Unido não são obrigatórios e que em Portugal serão testados os alunos do ensino secundário.

__________________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Verdadeiro: as principais alegações do conteúdo são factualmente precisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações "Verdadeiro" ou "Maioritariamente Verdadeiro" nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Siga-nos na sua rede favorita.
Verdadeiro, mas...
International Fact-Checking Network