O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Aguiar-Branco disse no Parlamento que não vai censurar partidos mesmo que estes classifiquem outras etnias como mais “burras” ou “preguiçosas”?

Política
O que está em causa?
É a primeira grande polémica associada a José Pedro Aguiar-Branco, que ainda esta quarta-feira repreendeu fortemente a bancada parlamentar do Chega mas que, esta manhã, permitiu que fosse dito que os "turcos" não são "propriamente conhecidos por ser o povo mais trabalhador do mundo". Questionado sobre se não se oporia a que deputados dissessem que uma etnia é mais burra que outra, Aguiar-Branco manteve a posição.
© Miguel A. Lopes/Lusa

Esta manhã, na primeira sessão plenária do dia, o líder do Chega teceu considerações polémicas sobre os turcos, que mereceram protestos das restantes bancadas parlamentares: “O aeroporto de Istambul foi construído e operacionalizado em cinco anos, os turcos não são propriamente conhecidos por ser o povo mais trabalhador do mundo.”

E se os deputados não ficaram contentes com a frase de Ventura, José Pedro Aguiar-Branco foi muito mais brando: “O deputado tem liberdade de expressão para se exprimir.” Fabian Figueiredo pediu a palavra de imediato para dizer que “atribuir características e estereótipos a um povo não deve ter espaço no debate democrático da Assembleia da República”, a que se seguiu um pedido de desculpas ao embaixador da Turquia. Aguiar-Branco, mais uma vez, discordou: “Não concordo, porque o debate democrático é cada um poder exprimir-se exatamente como quer fazê-lo. Na opinião do presidente da Assembleia, os trabalhos estão a ser conduzidos assegurando a livre expressão de todos os deputados, não tem a ver com o que penso pessoalmente, não serei eu o censor de nenhum dos deputados.”

Além do Bloco de Esquerda, Alexandra Leitão quis dirigir-se ao presidente da Assembleia da República para perceber se este iria permitir que “uma determinada bancada” dissesse “que uma determinada raça ou etnia é mais burra ou preguiçosa”.

No meu entender, pode. A liberdade de expressão está constitucionalmente consagrada. A avaliação do discurso político que seja feita aqui nesta casa será feita pelo povo em eleições”, respondeu Aguiar-Branco. A responsabilidade passou-a para as bancadas parlamentares: “Se houver alguém que acha que deve ser feita censura à intervenção dos deputados recorre da decisão do presidente da Assembleia.”

Esta intervenção tornou-se absolutamente viral nas redes sociais, com os deputados a apontarem a primeira grande falha da legislatura a Aguiar-Branco, que ainda esta quarta-feira fora equiparado a Augusto Santos Silva por enfrentar a bancada parlamentar do Chega.

______________________________

Avaliação do Polígrafo:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque