As imagens difundidas viralmente nas redes sociais permitem ver um momento de aparente discussão entre o cidadão e um dos vários agentes da PSP presentes no local do incidente, identificado como sendo no Barreiro. Após um momento em que o suspeito aponta o dedo ao agente, durante uma troca de palavras, o polícia empurra o jovem contra uma corrimão, agarrando-o pelo pescoço. Imediatamente, acercam-se outros elementos da PSP, sendo que um deles - colocado na parte de cima da escada - arranca a máscara ao suspeito e o agride com murros na cabeça.

Num outro vídeo vê-se o jovem a resistir agarrado ao corrimão até ser colocado no chão por três agentes. Um deles agride-o com um cassetete, mesmo quando já estava a ser manietado pelos outros polícias. 

A divulgação das imagens gerou vários comentários críticos à ação policial e com referências a um inquérito por parte da PSP aos agentes envolvidos. 

Em comunicado enviado às redações, o Comando Distrital de Setúbal da PSP anunciou que instaurou um processo disciplinar à intervenção policial, que aconteceu esta segunda-feira, depois das 17h40, após a divisão policial do Barreiro ter sido informada de grupo de indivíduos a “consumirem bebidas alcóolicas na via pública, em infração às restrições impostas pelo Estado de Emergência” decretado para combater a pandemia de Covid-19.

Segundo o relato da PSP, “um dos cidadãos abordados, que se encontrava a consumir bebidas alcoólicas, adotou uma postura de confrontação e oposição contra a ação policial, nomeadamente injuriando um dos polícias”. 

“Havendo a suspeita de que o indivíduo tinha na sua posse estupefaciente, foi-lhe comunicado que iria ser sujeito a uma revista sumária, tendo este recusado submeter-se à mesma”, continua a referida força policial, que explica ainda que os agentes “procederam à restrição do suspeito e a uma revista coerciva”. Foi encontrada na sua posse “haxixe e uma arma branca proibida, denominada ‘butterfly’”, pelo que o homem foi detido.

A PSP garante ainda que “o detido, quer durante o transporte para as instalações policiais, quer no interior das mesmas, manteve sempre uma conduta exaltada, agressiva, proferindo ameaças constantes ao agente detentor”.

Porém, esta força se segurança teve acesso a "um registo de imagem que mostra parte da atuação policial” e, após o visionamento da mesma, “e por subsistirem dúvidas quanto à conformidade dos procedimentos do uso da força executados, relativamente às regras em vigor na PSP, foi instaurado inquérito disciplinar”. 

Em suma, a PSP decidiu instaurar um inquérito disciplinar aos agentes em causa, mas não podemos concluir desde já que se trata de um caso de comprovado "abuso policial". Resta aguardar pelo resultado das averiguações.

________________________________

Avaliação do Polígrafo:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Impreciso
International Fact-Checking Network