O caso viu a luz do dia num artigo publicado no site World News Daily Report. O título do texto não deixa margem para dúvidas — «Agente da CIA reformado confessa, quando está a morrer: ‘Eu matei a Marilyn Monroe» —, ainda assim, o corpo da notícia dá mais detalhes sobre a história: «Um oficial reformado da CIA, Normand Hodges, fez uma série de revelações surpreendentes, desde que entrou na segunda-feira no hospital de Sentara. Diz que cometeu 37 homicídios a mando do governo americano, entre 1959 e 1972, incluindo o da atriz e modelo Marilyn Monroe.

Hodges, que trabalhou para a CIA durante 41 anos, diz que foi frequentemente contratado como assassino pela organização, para matar indivíduos que poderiam representar um perigo para a segurança do país. Treinado tanto como atirador, como especialista em artes marciais, Hodges diz que também tem experiência significante com métodos invulgares de inflingir danos aos outro, como venenos e explosivos». A acompanhar o texto, há uma fotografia de um homem entubado, deitado numa cama, algemado.

Muitos pensarão que se esta história for verdade, é, de facto bombástica. Mas não é. E para perceber o que se passa basta visitar o site do World News Daily Report. No fundo da página, surge um aviso que não permite que ninguém saia dali equivocado: «O World News Daily Report assume toda a responsabilidade pela natureza satírica dos artigos e pela natureza ficcional do seu conteúdo. Todas as personagens que aparecem nos artigos deste site —até aquelas baseadas em pessoas reais — são inteiramente ficcionadas, e qualquer semelhança entre elas e uma pessoa, viva, morta ou morta-viva, é um milagre puro». Portanto, nada do que surge no site éverdade, o que significa que a história do agente da CIA e da confissão do homicídio de Marilyn Monroe é, também, falsa.

cia

O site de verificação de factos Lead Stories alerta no mesmo sentido: o site é uma página de humor, especializada em publicar embustes e histórias inventadas. Além disso, há alguns meses, a página criou um novo cabeçalho, onde também deixa muito claro que o conteúdo da página é ficção: «World News Daily Report — onde os factos não importam».

O Lead Stories revela ainda que o site satírico utiliza frequentemente fotografias de pessoas reais, retiradas de outros órgãos de comunicação social, para ilustrar as histórias falsas. No caso da imagem que ilustra o agente da CIA que confessou o homicídio de Marilyn Monroe, ela corresponde a Michael Tyrrell, um homem que foi algemado no dia anterior à morte. Além disso, a história é velha, já foi publicada em 2015.

Marilyn Monroe morreu aos 36 anos, em 1962. Foi uma das mulheres mais icónicas do século XX. Símbolo da sensualidade feminina, foi encontrada morta na sua casa, depois de ter sofrido uma overdose com comprimidos. A morte foi considerada um provável suicídio, embora haja várias teorias de que a estrela de cinema foi assassinada.

Avaliação do Polígrafo:

Assine a Pinóquio

Fique a par dos nossos fact checks mais lidos com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Receba os nossos alertas

Subscreva as notificações do Polígrafo e receba os nossos fact checks no momento!

Em nome da verdade

Siga o Polígrafo nas redes sociais. Pesquise #jornalpoligrafo para encontrar as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network