A publicação em causa tem origem na rede social Facebook e está a ser partilhada em vários grupos que têm milhares de seguidores. A mensagem é simples, em forma de denúncia: "A taxa de mortalidade materna quadruplicou desde 2000".

O gráfico mostra a evolução dos números, sobressaindo um aumento exponencial da taxa de mortalidade entre 2016 e 2018. No rodapé da publicação indica-se a base de dados Pordata como fonte de informação.

Confirma-se que a taxa de mortalidade materna em Portugal "quadruplicou" desde o ano de 2000?

De acordo com os dados estatísticos mais recentes, compilados na Pordata, a taxa de mortalidade materna saltou de 2,5 (por 100 mil nados-vivos) em 2000 para 19,5 (por 100 mil nados-vivos) em 2018. Ou seja, não quadruplicou, mas quase octuplicou entre 2000 e 2018.

Desde a década de 1980 que a taxa de mortalidade materna em Portugal não atingia níveis tão elevados. No ano passado morreram em Portugal 17 mulheres por complicações durante a gravidez, parto e puerpério, resultando num aumento da taxa de mortalidade materna de 10,4 (em 2017) para 19,5 mortes por cada 100 mil nascimentos. Ou seja, quase duplicou entre 2017 e 2018.

A publicação em análise é imprecisa, na medida em que apresenta um gráfico com dados corretos mas calcula erradamente a proporção do aumento da taxa de mortalidade materna entre 2000 e 2018 que, como já sublinhámos, não quadruplicou, mas quase octuplicou.

***

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Misto: as alegações do conteúdo são uma mistura de factos precisos e imprecisos ou a principal alegação é enganadora ou incompleta.

Na escala de avaliação do Polígrafoeste conteúdo é:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Impreciso