O primeiro jornal português
de Fact-Checking

A primeira mulher piloto de caças da Ucrânia morreu em combate na guerra contra a Rússia?

Ucrânia
Este artigo tem mais de um ano
O que está em causa?
Chamava-se Natasha Perakov, a primeira mulher de sempre a pilotar caças da Força Aérea da Ucrânia, e terá morrido em combate - não sem "valentia" - na presente guerra contra a Rússia. A imagem da "heroína" propagou-se velozmente nos últimos dias entre o Facebook, Twitter e Instagram, em forma de homenagem e exaltação. Se viu ou leu nas redes sociais é porque só pode ser verdade?

Morreu a primeira mulher piloto da Ucrânia. Lá do céu com valentia”; “Natasha Perakov, primeira piloto de caça da Ucrânia, morta em combate. Tanta vida ceifada, na flor da idade. Estes sim são os verdadeiros heróis”. “Primeira piloto de caça morta na guerra da Ucrânia! Isso sim é mulher empoderada, patriota!”; “Faleceu, a defender o seu país, a primeira mulher piloto de caça na Ucrânia!”; “Morreu após ficar gravemente ferida”.

E assim por diante, inúmeras publicações, em diversos idiomas, com a imagem da suposta Natasha Perakov. Tornou-se viral nas redes sociais, ao longo das últimas semanas, quase desde o início da invasão da Ucrânia por forças militares da Rússia na madrugada de 24 de fevereiro. Esta história é verdadeira?

Analisando a fotografia em causa, através de ferramentas como a aplicação “TinEye“, verificamos que tem origem na página do Ministério da Defesa da Ucrânia, num artigo publicado a 12 de outubro de 2016.

No entanto, a mulher é identificada como Olesya Vorobey, não como Natasha Perakov. É uma soldado que, nessa altura, venceu um concurso de beleza organizado pelo Exército da Ucrânia na cidade de Starobilsk, em Lugansk, que por coincidência é uma das regiões separatistas no epicentro da guerra contra a Rússia.

No texto do artigo indica-se que Vorobey integrava as operações anti-terroristas e militares do Comando Operacional Ocidental do Exército da Ucrânia. Ou seja, não era uma piloto de caças na Força Aérea, ao contrário do que se alega nas recentes publicações das redes sociais. Além de ter um nome diferente, como já sublinhámos.

Num artigo mais recente, de 2018, lê-se que Vorobey estava a pedir apoio para um outro concurso de beleza, sendo então apresentada como “operadora do departamento de processamento da área de comunicação de campo” do Exército da Ucrânia, mais uma vez sem qualquer ligação com a Força Aérea.

Por outro lado, na realidade, a primeira mulher piloto de combate da Força Aérea da Ucrânia chama-se Nadiya Savchenko, a qual foi presa em 2014 na Rússia, acusada de cumplicidade no assassinato de dois jornalistas russos no Leste da Ucrânia.

“Depois de passar dois anos em prisões russas, ela foi libertada em 25 de maio de 2016, após um perdão concedido por Vladimir Putin [Presidente da Federação Russa]. Depois disso, ela recebeu no seu país o título de ‘Herói da Ucrânia‘. Depois de se tornar deputada e fundar um partido de oposição ao então presidente ucraniano Petro Poroshenko (2014-2019), Savchenko foi presa novamente em 2018, dessa vez pelo Governo ucraniano, que a acusou de preparar um ataque terrorista. Ela foi libertada em abril de 2019″, segundo informa a AFP Checamos.

Não encontramos qualquer registo público sobre a eventual morte de Savchenko. De resto, não é a mulher retratada nas fotografias que estão a ser partilhadas nas redes sociais. Essas imagens são de Vorobey, uma soldado ucraniana que não pilota caças da Força Aérea e também não há registo público de que tenha morrido em combate.

Mais uma fake news sinalizada como tal pelo Polígrafo.

___________________________________

Nota editorial: este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking (verificação de factos) com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebook, este conteúdo é:

Falso: as principais alegações dos conteúdos são factualmente imprecisas; geralmente, esta opção corresponde às classificações “Falso” ou “Maioritariamente Falso” nos sites de verificadores de factos.

Na escala de avaliação do Polígrafo, este conteúdo é:

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Fact checks mais recentes