"Se ainda conhecem quem ache que os refugiados estão todos a vir para a Europa, quem tenha medo que estejam a 'invadir' Portugal e a 'roubar-nos os empregos' ou quem diga que 'prefere ajudar as pessoas sem-abrigo do que os refugiados', este é o artigo que têm mesmo de partilhar. Está na altura de acabarmos com todos estes mitos, de uma vez por todas", destaca-se na partilha de uma publicação da Amnistia Internacional Portugal na rede social Facebook.

É um artigo no qual se sinalizam "oito mitos sobre os refugiados que é urgente desconstruir", salientando na introdução que "a desinformação e o desconhecimento alimentam a retórica contra os refugiados nas redes sociais. Fala-se em invasão da Europa, do mero aproveitamento dos benefícios estatais oferecidos ou da fuga como ato inconsciente com o objetivo de roubar os nossos empregos. No Dia Mundial do Refugiado, damos a conhecer a verdade por detrás da mentira. Contra factos não há argumentos. Ou melhor, mitos infundados".

E o primeiro mito é o seguinte: "Os refugiados estão todos a fugir para a Europa!" A Amnistia Internacional Portugal apresenta uma série de dados que apontam no sentido inverso, ou seja, é falso que a maior parte dos refugiados está a fugir para a Europa e demais países desenvolvidos. Confirma-se?

De acordo com a Aministia Internacional Portugal, "a maioria dos refugiados foge para países em desenvolvimento. Os países que mais acolhem refugiados são a Turquia (3,7 milhões), Paquistão (1,4 milhões), Uganda (1,2 milhões) e Sudão (1,1 milhões)".

"Os países desenvolvidos acolhem apenas 16% dos refugiados. Mais de 6,7 milhões dos refugiados (aproximadamente um terço) estão em países em desenvolvimento", conclui-se.

Estes números podem ser confirmados no relatório "Global Trends - Forced Displacement in 2018" do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), divulgado na semana passada.

A informação veiculada pela Amnistia Internacional Portugal é verdadeira. Importa apenas referir um detalhe que é omitido, intencional ou não intencionalmente: a Alemanha (país desenvolvido e da Europa) já acolheu tantos refugiados (1,1 milhões) quanto o Sudão.

Em conclusão, de facto, a ideia de que a maior parte dos refugiados está a fugir para a Europa e demais países desenvolvidos, ou que são esses países que acolhem mais refugiados no global (não obstante o caso excepcional da Alemanha), mais do que um mito, é uma falsidade recorrentemente espalhada pelas redes sociais.

Avaliação do Polígrafo:

Assina a Pinóquio

Fica a par de todos os fact-checks com a newsletter semanal do Polígrafo.
Subscrever

Recebe os nossos alertas

Subscreve as notificações do Polígrafo e recebe todos os nossos fact-checks no momento!

Em nome da verdade

Segue o Polígrafo nas redes sociais. Pesquisa #jornalpoligrafo para encontrares as nossas publicações.
Falso
International Fact-Checking Network