A oncologia é provavelmente a área médica mais propícia à disseminação de falsidades. O que não falta no ciberespaço são vendedores de curas milagrosas que se aproveitam da ignorância ou da passividade dos leitores para os ajudarem a viralizar mensagens que só provocam confusão entre quem as lê, com o objetivo de aumentar os seus lucros alicerçados no tráfego dos sites que detêm.

Um dos mitos mais veiculados quando se fala de cancro é o do alegado poder da limonada quente na eliminação das células cancerígenas. É uma falsidade propagada há muito um pouco por todo o mundo ocidental que, de tanto ser repetida, convenceu milhares de pessoas da sua credibilidade.

Neste caso, para conferir realismo à mensagem, é comum surgir um “Professor”que, do alto da sua autoridade, garante o poder benigno do limão.

Recentemente um site brasileiro de fact-checking descobriu o “Professor Tchen Horin”, que se apresenta como diretor-geral do Hospital do Exército de Pequim e que num texto publicado na internet fornecia um guia prático para os que ambicionavam livrar-se da doença:

“Corte o limão em três pedaços, coloque-os num copo e despeje água quente em cima deles. Bebam-na diariamente (...) o limão quente pode libertar uma substância contra as células cancerígenas (...) o sumo de limão quente tem um efeito sobre os tumores e as bolsas cancerosas.”

limonada

O texto, que tem todas as características das prosas de desinformação (é vago, alarmista, não cita fontes credíveis de informação e incita fortemente à partilha), continua a descrever as virtualidades do limão durante vários parágrafos, todos eles sem qualquer sustentação científica. O boatos.org foi à procura do Professor Tchen no Hospital do Exército de Pequim e... constatou que ele não existe. Além disso, cita um estudo da Universidade de Ciências Médicas do Arkansas, nos Estados Unidos, que conclui que o limão não tem propriedades anti-cancerígenas.

Avaliação do Polígrafo:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso