Até ao momento, um dos estudos mais consistentes sobre o novo coronavírus (denominado como Covid-19analisou dados sobre o desenvolvimento da epidemia na China até ao dia 11 de fevereiro e aponta para uma taxa de letalidade de 2,3% (1.023 mortes em 44.672 casos confirmados).

Ou seja, é uma taxa de letalidade mais de 20 vezes superior à da gripe de Inverno (ou sazonal) ao nível mundial.

De acordo com o mesmo estudo, a taxa de letalidade entre os infetados com mais de 80 anos de idade é de 14,8% (208 mortes em 1.408 casos confirmados), baixando para 8% na faixa etária entre os 70 e os 79 anos de idade (312 mortes em 3.918 casos confirmados). No que concerne aos "casos críticos", em que a infeção se torna grave, a taxa de letalidade é de 49% (1.023 mortes em 2.087 casos confirmados).

Importa porém ressalvar que a grande maioria, ou mais especificamente 81% dos casos confirmados de Covid-19 na China, até ao dia 11 de fevereiro, foram moderados. Isto é, não se desenvolveram até à situação mais grave de pneumonia. Aliás, os respetivos sintomas podem ser tão leves que se confundem com os de uma gripe de Inverno.

Outro elemento a ter em conta é que estes números ainda são muito prematuros e vários especialistas alertam para a possibilidade de muitos casos ainda não terem sido diagnosticados. "Tem que haver muitas infeções por aí que não são detectadas, por serem moderadas. Se se acrescentar mais 100 mil pessoas, então a taxa de letalidade baixa", salientou Gary Kobinger, diretor do Infectious Disease Research Center da Laval University, Quebec, Canadá, em declarações à PBS.

Não obstante, os dados disponíveis neste momento apontam para uma maior taxa de letalidade associada ao Covid-19, em comparação com a gripe de Inverno. Mas a comparação não pode ser tão simples, uma vez que na gripe há uma grande variação conforme o grupo de risco, com maior letalidade habitualmente nos idosos, mas também e sobretudo, uma grande variação conforme o tipo de vírus dominante em cada época de gripe sazonal.

Para mais informações sobre o Covid-19, nomeadamente medidas de prevenção e esclarecimentos sobre mitos infundados, consulte a nova página da Direção-Geral da Saúde dedicada a essa matéria.

***

Nota editorial: este texto foi produzido pela redação do Polígrafo e cientificamente validado pela Direção-Geral da Saúde, no âmbito de uma parceria estabelecida entre as duas entidades a propósito de um tema que se reveste de um inquestionável interesse público.

Avaliação do Polígrafo:

Notificações

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Falso
International Fact-Checking Network