No segundo tweet que publicou na sua página recém-criada, Rui Rio decidiu celebrar um facto que reputa de "inédito": a circunstância de o tempo de antena do partido, emitido na passada quinta-feira, 29, ter sido o mais visto do dia na RTP1 e o sexto mais visto da televisão portuguesa naquele dia.

Ora, de acordo com as informações constantes do Media Monitor da Marktest, empresa que mede as audiências televisivas, o líder do PSD - internamente acossado pela alegada incapacidade para desenvolver uma oposição "musculada" ao governo de António Costa - divulgou uma informação verdadeira e outra que carece de fundamento.

A verdadeira: de facto, o tempo de antena por si protagonizado foi o momento mais visto da RTP1 naquele dia. Alcançou 8,1% de rating e 18,1% de share, tendo sido visto por uma média de 787 mil telespectadores durante os 6 minutos em que esteve no ar.

A falsa: ao contrário do que Rio refere no seu tweet, o tempo de antena não foi o sexto programa mais visto do dia - foi o sétimo. Fique com os dez primeiros:

  1. Valor da Vida (TVI, 11,6% de rating e 24,4% de share)
  2. Jornal das 8 (TVI, 11% de rating e 22,9% de share)
  3. Alma e Coração (SIC, 9,7% de rating e 20,4% de share)
  4. Jornal da Noite (SIC, 9,5% de rating e 19,7% de share)
  5. A Teia (TVI, 8,6% de rating e 25,5 de share)
  6. Futebol - Liga Europa (SIC, 8,5% e rating e 23,6% de share)
  7. Direito de Antena (RTP1, 8,1% de rating e 18,1% de share)
  8. Apanha-me se Puderes (TVI, 8% de rating, 18,8% de share)
  9. Telejornal (RTP1, 7,6% de rating, 15,8% de share)
  10. Joker (RTP1, 7,3% de rating e 15,2% de share)

Fonte: Media Monitor (Marktest)

Um dado fundamental para compreender o resultado do tempo de antena do PSD é o facto de ter sido emitido entre "O Preço Certo" e o "Telejornal". Rui Rio beneficiou do efeito de contágio das boas audiências do programa de Fernando Mendes, que lhe "entregou" a emissão com 22,5% de share (embora tenha obtido uma média de 16,9% nesse dia durante os 59m em que esteve no ar). Mas  entre o momento em que Fernando Mendes "passou o testemunho" a Rio e aquele em que Rio o passou ao"Telejornal", o share desceu dos 22,5% para os 17,6% - ou seja, durante os 6 minutos em que esteve no ar, Rio perdeu 4,9% de share, "contaminando", por sua vez, os resultados do "Telejornal", que em vez de entrar em antena com a audiência habitual, teve de o fazer com um share menor.

A questão da importância dos programas de acesso aos jornais da noite é nuclear na programação televisiva. Não é um fenómeno novo ou invulgar. Não é por acaso que todos os canais televisivos fazem grandes apostas nos programas que dão acesso aos jornais da noite. Só com uma "boleia" generosa é possível pensar em vencer o principal serviço informativo.

Um caso paradigmático nesse sentido é o da TVI, que até apostar em Cristina Ferreira (com o programa "Apanha-me se Quiseres") no horário de acesso ao Jornal das Oito se batia numa base diária com a SIC pela liderança e que, a partir do momento em que a agora vedeta da grande rival entrou no ar, conseguindo grandes resultados, passou a vencer quase sempre - uma situação que recentemente se inverteu, com a entrada em cena de "Casados à Primeira Vista", que está a conseguir óptimos resultados, "contaminando" o Jornal da Noite, que voltou às vitórias.

Avaliação do Polígrafo:

Impreciso