O primeiro jornal português
de Fact-Checking

Pulmões, coração e mente. Como as alterações climáticas podem afetar a saúde

Este artigo tem mais de um ano
Quando se pensa nos efeitos das alterações climáticas o primeiro impulso pode ser imaginar um cenário de destruição, de inundações ou de furacões descontrolados. No entanto, ainda que estes fenómenos extremos sejam uma das consequências destas mudanças, é necessário também ter em conta os impactos na saúde.

Os efeitos das alterações climáticas na natureza – como a acidificação dos oceanos, a subida do nível médio das águas do mar e o aumento da frequência de fenómenos extremos – são já conhecidos e estudados há vários anos. Noutro plano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) garante ser “inequívoco” que estas mudanças afetam também a “saúde humana”, embora medir a dimensão desses impactos seja “um desafio”.

Num artigo publicado na sua página oficial, a OMS sublinha que “as alterações climáticas já estão a ter impacto na saúde de inúmeras formas”, podendo levar “à morte” ou provocar “doenças decorrentes de eventos climáticos extremos cada vez mais frequentes, como ondas de calor, tempestades e inundações, rutura dos sistemas alimentares, aumento de zoonoses [doenças dos animais transmissíveis ao homem] e problemas de saúde mental”.

Além disso, lembra a mesma fonte, as alterações climáticas estão a prejudicar muitos dos “fatores sociais determinantes” para uma vida saudável, “como meios de subsistência, igualdade e acesso a cuidados de saúde e estruturas de apoio social”.

Tal como o Polígrafo já verificou anteriormente, tanto estes fenómenos quanto a poluição podem afetar também a saúde do coração. Em diversos relatórios da OMS destinados a monitorizar as respostas de vários países “às ameaças à saúde provocadas pelas alterações climáticas”, assegura-se ainda que a poluição do ar “pode ter consequências diretas e, por vezes, graves para a saúde”, porque “as partículas finas” entram nas  “vias respiratórias” e aumentam “a morbilidade e a mortalidade” ao contribuírem para o desenvolvimento de problemas como “infeções ou doenças respiratórias, cancro do pulmão, doenças cardiovasculares, e deficiências cognitivas”.

Noutro plano, as alterações climáticas são também consideradas uma “ameaça à saúde cardiopulmonar”. Num artigo publicado no jornal científico “American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine” lê-se que “mudanças recentes no sistema climático global resultaram em excesso de mortalidade e morbilidade, particularmente entre indivíduos com doença cardiopulmonar preexistente”.

Quanto à saúde mental, um relatório da OMS realça que “as alterações climáticas agravam muitos fatores de risco sociais e ambientais para a saúde mental e problemas psicossociais”, como “reação ao stress”, “comportamento suicida” e “uso de álcool e substâncias”.

Estas consequências são também uma preocupação para a Comissão Europeia que, no seu site, adianta prever-se que “futuras alterações climáticas” resultem numa série de efeitos na saúde, como um “aumento da mortalidade (óbitos) e da morbilidade (doenças) relacionadas com o calor no verão”, um “aumento do risco de acidentes e dos efeitos no bem-estar em geral dos fenómenos meteorológicos extremos” e “alterações a nível do impacto de determinadas doenças”, nomeadamente “doenças transmitidas por vetores, roedores, água ou alimentos”.

Entre os possíveis efeitos enumerados pela instituição que representa e os interesses da União Europeia constam também as “alterações na distribuição sazonal de algumas espécies de pólen alergénico, da gama de vírus, da distribuição de pragas e doenças”.

Em suma, tanto os efeitos atuais quanto os impactos futuros previsíveis relacionados com as alterações climáticas são reconhecidos pelas organizações internacionais, apesar de a sua medição exata ser um desafio. Por isso, sustenta a OMS, “reduzir as emissões de gases com efeito estufa através de melhores opções de transporte, alimentação e uso de energia pode resultar numa melhoria da saúde, principalmente pela redução da poluição do ar”.

___________________________________

EMIFUND

Este artigo foi desenvolvido no âmbito do European Media and Information Fund, uma iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian e do European University Institute.

The sole responsibility for any content supported by the European Media and Information Fund lies with the author(s) and it may not necessarily reflect the positions of the EMIF and the Fund Partners, the Calouste Gulbenkian Foundation and the European University Institute.

Partilhe este artigo
Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn

Relacionados

Em destaque